Executivos e transportadores do segmento de caminhões discutem perspectivas do setor em evento promovido pela Scania

Fonte: Scania
Evento

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

No evento Perspectivas 2019, a Scania promoveu uma roda de diálogo com clientes do segmento de caminhões, com o objetivo de trocar experiências, discutir problemas do setor e mostrar os benefícios que os caminhões Scania trouxeram aos negócios de cada um.

 

DSC 0793

 

Atílio Contatto representou a Transportadora Contatto – especializada em transporte de produtos químicos, e Adelino Bissoni participou à frente da Botuverá, que atua no agronegócio.

 

A Contatto tem uma frota de 325 caminhões e dois terços deles são Scania. “A nossa história com a Scania se mistura com a trajetória dela no Brasil e remonta a 1960, quando compramos nosso primeiro caminhão. Trata-se de uma relíquia de valor inestimável”, afirma Atílio Contatto..

 

Ele diz que um dos pilares mais importantes para o relacionamento entre as duas empresas é o que a Scania entrega ao cliente. “Eu não compro caminhões, compro rentabilidade. Por isso, soluções, consumo e a assistência que o Scania Banco nos dá fazem toda a diferença. Além disso, a concessionária Quinta Roda, de Sumaré (SP), nos garante total suporte no Brasil inteiro. É uma referência fundamental para o nosso negócio”, diz.

 

O executivo mostra-se otimista sobre o que esperar em 2019 nas áreas em que atuam. “O nosso foco é carga perigosa, como gás, combustíveis e fertilizantes. Tivemos um desempenho muito positivo nos últimos anos, com players dando mais oportunidades para a Contatto. Com isso, conseguimos alcançar ótimos resultados. Em um período de seis anos, os últimos três foram ainda melhores”, revela Contatto.

 

Contatto prevê crescimento de 19% no transporte de produtos químicos em relação a 2018, incremento que está condicionado não só à demanda dos clientes, mas também à melhoria do cenário econômico. “Não me incomodo com possíveis turbulências, que são normais em nosso negócio. O que me preocupa é o que será feito daqui para frente”, afirma Contatto. Ele defende maior previsibilidade para o setor para que a empresa tenha condições de se programar. Um exemplo é a necessidade de transparência na tabela de preço mínimo de frete.


O outro integrante da roda de diálogo, Adelino Bissoni, é transportador e também produtor rural. Ou seja, conhece os dois lados do setor. A Botuverá tem uma parceria de 43 anos com a Scania, baseada no relacionamento duradouro e de confiança com a fábrica e a concessionária. “Nossa operação no Mato Grosso é bastante severa, com estradas precárias e sem asfalto e, por isso, precisamos de veículos resistentes”, afirma.

 

Bissoni afirma que a expectativa de colheita da próxima safra é boa, embora os problemas de logística limitem um pouco a operação. “Colhemos 60 mil toneladas de grãos e esse volume pode chegar a 120 mil nos próximos cinco anos. Só não colhemos 300 mil toneladas por questões logísticas”, afirma Bissoni. “Hoje, Mato Grosso representa 25% da produção de grãos do Brasil.”

 

Ao falar novamente sobre tabela de fretes, Atílio Contatto disse ser praticamente impossível praticá-la atualmente. “Ela foi feita sob a pressão da greve dos caminhoneiros do ano passado, porém é preciso rever os números. Para se ter ideia, a carga perigosa é 40% mais barata que a de outros segmentos. Isso não faz sentido”, revela.



Contatto defende o livre mercado. “Em um país de dimensões continentais, como o Brasil, é difícil agregar todos os segmentos”, salienta.

 

Bissoni ressalta que o achatamento na tabela de frete de grãos vem desde 2014. “Os valores de hoje não agradam ninguém. Se o transporte das fazendas até os portos é satisfatório, o chamado frete inverso – dos portos às fazendas – não é tanto, cerca de 30% menor. Precisamos proteger mais o motorista autônomo, os principais sacrificados em algumas regiões”, diz.

 

Outro assunto discutido pelos transportadores refere-se ao novo marco regulatório do setor. Bissoni acredita que ele deve ser simples, contemplando todo o segmento. Já Contatto analisa o marco regulatório como positivo, mas bate na tecla da previsibilidade. “O motorista autônomo precisa saber quanto vai gastar de combustível e receber condições técnicas, econômicas, de infraestrutura na rodovia e segurança na jornada”, diz.

 

Adelino Bissoni acrescenta que a definição de um valor por quilômetro rodado poderia ser uma solução para o frete, mesmo assim, estaria longe chegar a um consenso. “O profissional do setor deve conhecer seu custo e não trabalhar abaixo dele. Não adianta a tabela dizer que o quilômetro rodado custa R$ 5, o transportador pagar R$ 3 e o motorista aceitar.”



Ele conta que o transporte de grãos está até mesmo acima do valor da tabela, principalmente nos trechos acima de 1.000 km. O problema reside no frete de retorno, que não consegue acompanhar a tabela. “Levar grãos de Rondonópolis para Natal, por exemplo, eleva a tabela às alturas. Por isso, o livre mercado acaba protegendo o autônomo”, diz.

 

Bissoni recorda que, no passado recente, a falta de motorista qualificado foi um problema enfrentado em Mato Grosso. “Em muitos casos, a mão de obra vem de fora. Fizemos, então, parceria com o Sest-Senat, a fim de incentivar as novas gerações e acabar com a ideia de que trabalhar com caminhão é desconfortável. Hoje, os veículos são mais confortáveis que automóveis de passeio”, afirma.

 

Segundo Atílio Contatto, a palavra-chave para atrair novos profissionais no setor é valorização, que inclui remuneração justa, premiações e cursos de capacitação incluindo simuladores para os testes de segurança.

Mais Lidas

Siga no Instagram

São Paulo

Rua da Gávea, 1390 - Vila Maria
CEP - 02121-020 - São Paulo/SP
Fone - (11)2632-1500

Brasília

SAS – Quadra 1 – Lotes 3/4
Bloco “J” – 7º andar – Torre “A” Edifício CNT
CEP: 70070-010 - Brasília/DF
Fone - (61)3322-3133